Arquivo do dia: 09/02/2011

Fazendo cena. Com Vanessa Rosal.

Lado BVanessa Rosal é jornalista. O agitado dia a dia da profissão nunca foi motivo para ela deixar de exercer outras atividades. Vanessa já jogou basquete, fez aula de dança, curso de poesia e ainda mostrou que tem samba no pé ao desfilar várias vezes pela escola Gaviões da Fiel.

Vanessa Rosal na peça Tribobó City, de Maria Clara Machado.

Hoje, a versátil jornalista dedica-se à gastronomia e está prestes a terminar um curso sobre o tema no Senac. “Mas tenho certeza de que meu lado B, definitivamente, é brincar de ser atriz. Brincar é modo de dizer, porque o Teatro é uma atividade que eu levo muito a sério, mas com leveza. Subir ao palco, sentir a luz quente dos refletores batendo no rosto, o buxixo da plateia, as palmas no final na apresentação… para mim, isso não tem preço”, garante. “Posso dizer que o teatro, hoje, está no meu dia a dia, assim como o jornalismo. Estou fazendo curso profissionalizante na escola Macunaíma, com apresentação de duas peças diferentes por ano.”

Faixa a faixa – A paixão da atriz pelos palcos começou na escola, aos nove anos, quando participou do elenco da peça A arca de Noé. “De lá para cá, sempre me envolvi com apresentações na escola e participei de um grupo, já na adolescência, com alunos do colégio Sérgio Buarque de Holanda. Fiz várias apresentações no teatro Paulo Eiró e no Teatro Dias Gomes, com as peças Crônicas da Vida Privada e Afinal, um Sargento de Milícias”. Quando ingressou no curso de jornalismo, outra iniciativa. “Organizei um grupo independente com alunos de Jornalismo e Rádio e TV, contratamos uma professora particular de teatro e encenamos duas peças no teatro da Unisa (Universidade de Santo Amaro): A Moreninha e A Família e a Festa na Roça.”

Fotos: divulgação

No último volume – Naquela época, a rotina dela era abarrotada. O estágio na TV Unisa, o trabalho e o curso de jornalismo tomavam cerca de 16 horas de seu dia, fato que a impediu de começar um curso profissionalizante. “Por inúmeras vezes pensei em largar tudo, só para fazer teatro. Não larguei porque sei que o mercado de trabalho é difícil e injusto. Mas ainda sonho com essa possibilidade…”. Enquanto sonha, Vanessa continua ocupando o tablado. No fim de 2010, participou, pelo Teatro Escola Macunaíma, da peça Tribobó City, de Maria Clara Machado, encenada também pelo ator Rodrigo Caporrino, noivo da jornalista.

Capa – Longe do palco, Vanessa dá sinais de que o teatro ocupa um lugar especial em sua vida. Quer saber o porquê? “Meu lado B é indispensável porque estudar teatro, subir aos palcos e sentir o calor do público me fazem um bem inexplicável. Amo jornalismo, mas o Teatro está além…”. Ela conta que quando está na escola decorando textos, ensaiando e fazendo marcação de cena é capaz de esquecer todos os problemas. “Viver a vida de outras pessoas, dentro do personagem, é mágico… Todos deveriam vivenciar essa magia, ao menos uma vez na vida.”

Vanessa Rosal e o elenco da peça Tribobó City, encenada na sede do Teatro Escola Macunaíma.


%d blogueiros gostam disto: